Comunicación, género y política en Brasil: las candidatas de Paraná en la propaganda electoral televisiva

Camilla Quesada Tavares, Michele Goulart Massuchin

Resumen


El artículo tiene como objetivo discutir cómo las mujeres se presentan en la propaganda electoral televisiva como candidatas para cargos de representación política. La comunicación en las campañas −sobre todo en la televisión− es una de las piezas clave en las disputas electorales brasileñas, al tiempo en que se busca una inclusión cada vez mayor de las mujeres en los espacios políticos. De este modo, se identifica la forma en que las candidatas a diputada federal por Paraná, cuando tienen acceso a la televisión, utilizan ese espacio de comunicación. Para ello, se analizan estrategias del discurso y los temas tratados en la publicidad. El método utilizado fue el análisis cuantitativo de contenido de 1878 segmentos de la propaganda de 2014.

Palabras clave


mujer; comunicación; propaganda electoral; discurso político

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Albuquerque, A., Steibel, F. & Carneiro, C. (2008). A outra face do horário gratuito: Partidos políticos e eleições proporcionais na televisão. DADOS - Revista de Ciências Sociais, (51)2, 459-487.

Albuquerque, A. (2004). Propaganda política e eleitoral. En Rubim, A. (Org.). Comunicação e política: Conceitos e abordagens. Salvador: Edufba.

Albuquerque, A. (1999). Aqui você vê a verdade na tevê: a propaganda política na televisão. Rio de Janeiro: MCII/UFF.

Araújo, C. (2001). As cotas por sexo para a competição legislativa: o caso brasileiro em comparação com experiências internacionais. DADOS - Revista de Ciências Sociais, (44)1, s/p.

Araújo, C. & Alves, J. (2007). Impactos de indicadores sociais e do sistema eleitoral sobre as chances das mulheres nas eleições e suas interações com as cotas. DADOS - Revista de Ciências Sociais, (50)3, 535-577.

Araújo, C. & Borges, D. (2013). Trajetórias políticas e chances eleitorais: analisando o “gênero” das candidaturas em 2010. Revista de Sociologia e Política, (21)46, 69-91.

Bauer, M. (2002). Análise de conteúdo clássica: uma revisão. En Bauer, M. W.; Gaskell, G. (Org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Petrópolis: Vozes.

Bernardi, O. (2011). A inserção do cotidiano no Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral: o uso político da realidade social como reforço à candidatura. Revista Conversas e controvérsias, (2)2, 65-79.

Brasil. (2016). Presidência da República. Secretaria de Comunicação Social. Pesquisa brasileira de mídia 2015: hábitos de consumo de mídia pela população brasileira. Brasília: Secom.

Cervi, E. (2010). O "tempo da política" e a distribuição dos recursos partidários: uma análise do HGPE. Em Debates, (2)8, 12-17.

Cervi, E. (2011). O uso do HGPE como recurso partidário em eleições proporcionais no Brasil: um instrumento de análise de conteúdo. Revista Opinião Pública, (17)1, 106-136.

Escosteguy, C. & Messa, M. (2008). Os estudos de gênero na pesquisa em comunicação no Brasil. En Escosteguy, C. Comunicação e gênero: a aventura da pesquisa. Porto Alegre: EdIPUCRS.

Figueiredo, M. et al. (1997). Estratégias de persuasão eleitoral: uma proposta metodológica para o estudo da propaganda eleitoral. Opinião Pública, (IV)3, 182-2013.

Gomes, N. (2001). Formas persuasivas de comunicação política. 2. ed. Porto Alegre: EdPUCRS.

Krippendorff. K. (1989). Content Analysis. En Barnouw,E.; Gerbner, G.; Schramm, W.; Worth, T.L. & Gross, L. International Encyclopedia of Communication. New York: Oxford University Press.

Massambani, A. C. & Cervi, E. (2011). A participação das mulheres no HGPE proporcional: uma análise comparativa das campanhas para deputado federal no Paraná em 2006 e 2010. En XII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sul. Londrina.

Miguel, L. F. (2014). Gênero e representação política. En Miguel, L.F. & Biroli, F. Feminismo e política. São Paulo: Boitempo.

Miguel, L. F. (2010). Apelos discursivos em campanhas proporcionais na televisão. Revista Política e Sociedade, (9)16, 151-175.

Miguel, L. F. (2004). Discursos cruzados: telenoticiários, HPEG e a construção da agenda eleitoral. Revista Sociologias, (11)6, 238-258.

Panke, L. & Cervi, E. (2011). Análise da comunicação eleitoral: uma proposta metodológica para os estudos do HGPE. Revista Contemporânea - Comunicação e Cultura, (9)3, 390-404.

Pinto, C. R. J. (2001). Paradoxos da participação política da mulher no Brasil. Revista USP, (49), 98-112.

Pinto, C. R. J. (1994). Mulher e política no Brasil. Os impasses do feminismo, enquanto movimento social, face às regras do jogo da democracia representativa. Revista Estudos Feministas, (2), 256-270.

Sacchet, T. & Speck, B. (2012). Financiamento eleitoral, representação política e gênero: uma análise das eleições de 2006. Opinião Pública, (18)1, 177-197.

Sarmento, R. (2013). Mídia, gênero e política: breve mapeamento de horizontes analíticos. Ação Midiática, (2)5, 1-15.




DOI: https://doi.org/10.16921/chasqui.v0i135.3207

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2017 Camilla Quesada Tavares, Michele Goulart Massuchin

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

convocatorias

Es una edición cuatrimestral creada y editada por CIESPAL.
Av. Diego de Almagro N32-133 y Andrade Marín.
Quito-Ecuador.

Síguenos en:

convocatorias

convocatorias

Revista Chasqui 2018
está bajo Licencia Creative Commons Atribución-SinDerivar 4.0 Internacional.