Identidades transnacionais e transculturais. Pós-colonialidade, lusofonias e interculturalidade. O caso do Museu Virtual da Lusofonia

Vítor DE SOUSA

Resumen


A identidade do “eu” está sujeita à presença de um “outro”, não de forma a apagar os seus próprios valores, mas a permitir a expansão das suas visões de mundo. Através do conceito de transculturalidade (Welsch, 1999), sustenta-se a ideia de que as culturas estão em processo constante de interação e de mistura. Este artigo, dedicado à problemática das identidades transnacionais e transculturais, deixa para trás o luso-tropicalismo do sociólogo brasileiro Gilberto Freyre (1953; 1961) e o conceito ancestral e unívoco de cultura, que pontuou o discurso da ditadura portuguesa do Estado Novo, voltando-se para a diversidade das lusofonias. Neste quadro, o Museu Virtual da Lusofonia pode ter uma importância fundamental enquanto possibilidade intercultural.


Palabras clave


Identidades transnacionais e transculturais; Luso-tropicalismo; Lusofonia; Museu Virtual da Lusofonia; Estudos Pós-coloniais; Interculturalidade

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Agualusa, J. E. (2019, 1 de junho). Por uma irmandade da língua. Expresso, p. 3.

Agualusa, J. E. (2020). Os Vivos e os outros. Lisboa: Quetzal Editores.

Bayly, C. (2004). The birth of the modern world, 1780-1914: Global connections and comparisons. Oxford: Blackwell.

Bennett, T. (2004). Past beyond memory: Evolution, museums, colonialism. London: Routledge.

Bhabha, H. (1994). The local of culture. London: Routledge.

Cabecinhas, R. & Cunha, L. (2008). Da importância do diálogo ao desafio da interculturalidade. In R. Cabecinhas & L. Cunha (Eds.), Comunicação intercultural. Perspectivas, dilemas e desafios (pp. 7-12). Porto: Campo das Letras.

Cahen, M. (2013). ‘Portugal is in the Sky’: Conceptual considerations on communities, lusitanity, and lusophony. In E. Morier-Genoud & M. Cahen (Eds.), Imperial migrations. colonial communities and diaspora in the portuguese world (pp. 297-315). Hampshire: Palgrave Macmillan.

Castelo, C. (2011). O Modo português de estar no mundo. Porto: Edições Afrontamento.

Castelo, C. (2010). “Prefácio”. In F. Gilberto, Um brasileiro em terras portuguesas (pp. 11-29). São Paulo: É Realizações.

Castelo, C. (2013, 5 de março). O luso-tropicalismo e o colonialismo português tardio. Buala. Retirado de https://tinyurl.com/p2kyd9r

Couto, M. (2009). Luso-afonias – a lusofonia entre viagens e crimes. In M. Couto, E se Obama fosse africano? E outras interinvenções (pp. 183-198). Lisboa: Caminho.

Couto, M. (2018, 2 de junho). Palavras que nos nascem. Jornal de Notícias, p. 84.

Dhada, M. (2015). The 1972 Wiriyamu massacre of Mozambique. London: Bloomsbury Academic Press.

Ferreira, A. P. (2007). Specificity without exceptionalism: Towards a critical Lusophone postcoloniality. In P. de Medeiros (ed.), Lusophones literatures and postcolonialism, pp. 21-40. Utrecht: University of Utrecht.

Ferronha, A. (1969). Ideário de Portugalidade. Consciência da Luso/Tropicalidade. Porto: Tipografia Marca/Angola: António Ferronha.

Franco, J. E. (2000). O Mito de Portugal. A Primeira História de Portugal e a sua Função Política. Lisboa: Roma Editora.

Freyre, G. (1953). Um brasileiro em terras portuguesas. Lisboa: Livros do Brasil.

Freyre, G. (1961). O Luso e o Trópico: Sugestões em torno dos métodos portugueses de integração de povos autóctones e de culturas diferentes da europeia num complexo novo de civilização: o luso-tropical. Lisboa: Comissão Executiva das Comemorações do V Centenário da Morte do Infante D. Henrique.

Giaccardi, E. (2004). Memory and territory: new forms of virtuality for the museum. Archives & Museums Informatics, March [https://tinyurl.com/gpb9m]

Hawkes, J. (2001). The fourth pillar of sustainability: Culture's essential role in public planing. Victoria: Common Ground Publishing Pty Ltd in association with the Cultural Development.

Hicks, D. (2020). The brutish museums. The Benin bronzes, colonial violence and cultural restitution. London: Pluto Press.

Henriques, R. (2018). Os museus virtuais: conceito e configurações. Cadernos de Sociomuseologia (v. 55) nº12, 53-70.

Lacerda, T. (2016). Interculturalidade. In F. C. Domingues (Dir.), Dicionário da expansão portuguesa (1415- 1600), Volume 2 (pp. 588-593). Lisboa: Círculo de Leitores.

Lourenço, E. (2004 [1999]). A Nau de Ícaro Seguido de Imagem e Miragem da Lusofonia. Lisboa: Gradiva.

Malraux, A. (2000). O museu imaginário. Lisboa: Edições 70.

Margarido, A. (2000). A Lusofonia e os lusófonos: Novos mitos portugueses. Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas.

Melo, F. (2017). Onésimo o Nosso Primo da América. LER, Primavera 2017, 145, 27-41.

Maciel, C. (2010). A Construção da Comunidade Lusófona a partir do antigo centro: Micro--comunidades e práticas da lusofonia. Dissertação de Doutoramento em Sociologia, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas/Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Martins, M. L. (2006). Continente imaterial. In M. L. Martins, H. Sousa & R. Cabecinhas (Eds.), Comunicação e Lusofonia – Para uma Abordagem Crítica da Cultura e dos Media (pp. 15-18). Porto: Campo das Letras.

Martins, M. L. (2014). Língua Portuguesa, globalização e lusofonia. In N. Bastos (Org.), Língua Portuguesa e Lusofonia (pp. 15-33). São Paulo: EDUC – IP-PUC.

Martins, M. L. (2018). A lusofonia no contexto das identidades transnacionais e transcontinentais. Revista Digital do Programa de Pós-Graduação em Letras da PUCRS. Porto Alegre, v. 11, n. 1, 3-11, janeiro-março. DOI: 10.15448/1984-4301.2018.1.30438

Mbembe, A. (2017). Critique of black reason. Durham and London: Duke University Press.

Muchacho, R. (2005). Museus virtuais: A importância da usabilidade na mediação entre o público e o objecto museológico. Livro de Atas 4º SOPCOM, pp. 1540-1547.

Público, (2006, 2 de julho). Dominique Wolton apela a "batalha pela lusofonia", Público, p. 27.

Ribeiro, A. P. (2013, 18 de janeiro). Para Acabar de Vez com a Lusofonia. Público-Ípsilon, pp. 38-39.

Richards, T. (1993). The imperial archive. Knowledge and the fantasy of empire. London/New York: Verso.

Reto, L., Machado, F. & Esperança, J. (2016). Novo Atlas da Língua Portuguesa. Lisboa: INCM – Imprensa Nacional Casa da Moeda.

Rosengarten, R. (2009). Contrariar, esmagar, amar – A família e o Estado Novo na obra de Paula Rego. Lisboa: Assírio & Alvim.

[Autor] (2014). O difícil percurso da lusofonia pelos trilhos da ‘portugalidade’. Configurações, 12, 89-104.

[Autor] (2017). Da 'portugalidade' à lusofonia. Famalicão: Húmus.

Stoer, S. R. & Cortesão, L. (1999). “Levantando a pedra” – da pedagogia inter/multicultural às políticas educativas numa época de transnacionalização. Porto: Afrontamento.

Torgal, L. R. (2009). Estados Novos, Estado Novo. Vol. 1. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.

Welsch, W. (1999). Transculturality - the puzzling form of cultures today. In M. Featherstone and S. Lash (ed.), Spaces of culture: City, nation, world, pp 194-213. London: Sage.




DOI: https://doi.org/10.16921/chasqui.v1i147.4450

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2021 Vítor de de Sousa

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

convocatorias

Es una edición cuatrimestral creada y editada por CIESPAL.
Av. Diego de Almagro N32-133 y Andrade Marín.
Quito-Ecuador.

Síguenos en:

convocatorias

convocatorias

Revista Chasqui 2018
está bajo Licencia Creative Commons Atribución-SinDerivar 4.0 Internacional.