O Haiti é aqui: mídia e narrativas de imigrantes haitianos sobre racismo no Brasil

Denise Cogo

Resumen


Esse artigo apresenta os resultados de uma pesquisa orientada à análise das narrativas produzidas e difundidas, entre 2015 e 2017, em espaços de mídias digitais criadas por imigrantes haitianos no Brasil, enfatizando aquelas narrativas que buscam dar visibilidade às suas experiências no âmbito das relações raciais.  A metodologia abrange a coleta de um corpus dessas narrativas em mídias digitais e a realização de 10 entrevistas com imigrantes haitianos. O marco teórico abarca as interfaces entre relações raciais, migrações transnacionais e mídia. Os resultados apontam que as narrativas evidenciam o reconhecimento, por parte dos haitianos, das especificidades que configuram as relações raciais no Brasil assim como os impactos e modos de enfrentamento do racismo em suas trajetórias migratórias no país.


Palabras clave


mídias, imigração haitiana, narrativas, racismo, Brasil

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Arfuch L. (2002). El espacio biográfico: Dilemas de la subjetividad contemporánea. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica Argentina.

Audebert C.(2017) The recent geodynamics of Haitian migration in the Americas: refugees or economic migrants?. Revista Brasileira de Estudos Populacionais 34 (1): 55-71. DOI: http://dx.doi.org/10.20947/s0102-3098a0007

Chaves LS & Cogo D. (2013). Racial equality activism in Brazil, communication via networks and internet: Afropress News Agency. Index.comunicación 3 (2): 221-245. Disponível em https://goo.gl/19wwq1

Cavalcanti, L, Oliveira, T, Araujo, D & Tonhati, T. (2017). A inserção dos imigrantes no mercado de trabalho brasileiro. Relatório Anual 2017. Brasília, DF: OBMigra, 2017. Disponível em https://goo.gl/5pc6i7

Cogo D & Badet M (2013) Guia das migrações transnacionais e diversidade cultural para comunicadores – Migrantes no Brasil. Bellaterra/São Leopoldo: InCom-UAB/IHU-Unisinos, Disponível em goo.gl/4gvlFJ

Cogo D & Pássaro M (2017). A “foto roubada”: mídias, visibilidade e cidadania da imigração haitiana no Brasil. E-Compós - Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação 20 (1): 1-23. Disponível em https://goo.gl/Rtcsuj

Cogo, D., Machado, S. (2011); Redes de negritude: usos das tecnologias e cidadania comunicativa de afro-brasileiros. In V. Morigi; I. Girardi, C. Almeida, Comunicação, informação e cidadania - refletindo práticas e contextos. (pp. 211-237). Porto Alegre: Sulina.

Cogo D & Silva, T (2016). Entre a “fuga” e a “invasão”- alteridade e cidadania da imigração haitiana na mídia brasileira.Revista Famecos – mídia, cultura e tecnologia. 23 (1): 1-18. DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-3729.2016.1.21885

Freyre, G (2002). Casa-Grande e Senzala. Rio de Janeiro: Record.

Guarnizo, L. (2004) Aspectos económicos del vivir transnacional. Colombia Internacional. 59: 12-47. Disponivel em https://goo.gl/X8QsdC

Handerson, J (2017) A historicidade da (e)migração internacional haitiana. O Brasil como novo espaço migratório. Periplos – Revista de Pesquisa sobre Migrações. 1 (1): 7-26. Disponível em https://goo.gl/CJPBpg

Handerson, J (2015). Diáspora. As dinâmicas da mobilidade haitiana no Brasil, no Suriname e na Guiana francesa. 2015. Rio de Janeiro: UFRJ. Available at: https://laemiceppac.files.wordpress.com/2015/06/tese-de-joseph-handerson.pdf

Martín-Barbero, J (2004). Ofício de cartógrafo – Travessias latino-americanas da comunicação na cultura. São Paulo, Loyola.

Munanga, K. (2004). A difícil tarefa de definir quem é negro no Brasil. Estudos Avançados. São Paulo, 18 (50), 51-56. (Entrevista)

Pimentel, ML & Cotinguiba, GC (2014) Elementos etnográficos sobre imigração na Amazônia Brasileira: Inserção social de haitianos em Porto Velho. Revista Temas de Antropología y Migración. 7: 31-55.

Morel, M (2017). A revolução do Haiti e o Brasil escravista – o que não deve ser dito. Jundiái-SP: Paco Editorial.

Oliveira, T. (2017, novembro 21). Seis estatísticas que mostram o abismo racial no Brasil. Carta Capital. Disponível em https://goo.gl/yZToF8

Ricouer, P (2010). Tempo e narrativa – a intriga e a narrativa histórica. São Paulo: WMF Martins Fontes.

Seyferth, G (2007). Os estudos da imigração no Brasil: Notas sobre uma produção multidisciplinar. In: Seyferth, G., Povoa Neto. H, Zanini, MC & Santos, M. et al. (ed.) Mundos em movimento. Ensaios sobre migrações. (pp. 15-44). Santa Maria: Editora UFSM.

Silva, S. (2018) Hatianos no Brasil - meandros e desafios de um processo de inserção sociocultural. L. Bogus & R. Baeninger. A nova face da emigração internacional no Brasil. (pp. 459-476). São Paulo; EDUC.

Silverstone, R (2010) La moral de los medios de comunicación. Amorrortu, Buenos Aires.

Ximenes, D.; Almeida, G. (2014). Brasil de volta ao imaginário de imigrantes. Labor – Revista do Ministério Público do Trabalho. 2 (5), 26-32.




DOI: http://dx.doi.org/10.16921/chasqui.v0i139.3595

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2019 Denise Cogo

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

convocatorias

Es una edición cuatrimestral creada y editada por CIESPAL.
Av. Diego de Almagro N32-133 y Andrade Marín.
Quito-Ecuador.

Síguenos en:

convocatorias

convocatorias

Revista Chasqui 2018
está bajo Licencia Creative Commons Atribución-SinDerivar 4.0 Internacional.