Conhecimento, compreensão e cultura: aspectos intersubjetivos e epistemológicos da compreensão como método

Dimas KÜNSCH, José Eugênio DE OLIVEIRA MENEZES, Mateus Yuri PASSOS

Resumen


O ensaio problematiza as relações entre conhecimento, compreensão e cultura; coteja raízes intersubjetivas e epistemológicas das concepções de compreensão e destaca alguns dos laços entre os estudos da compreensão como método e os da cultura. A partir das críticas de Montaigne, Medina e Morin, entre outros, à fragmentação do conhecimento científico, mapeia o caminho percorrido por autores que contribuem com a concepção da compreensão como método para ligar, unir, juntar saberes e conhecimentos. Em diálogo com estudiosos de diferentes formações, como Arendt, Buber, Campbell, Weber, Popper, Latour e Bakhtin, apresenta o diálogo entre as diferentes práticas de conhecimento como forma de se conhecer, comunicar e participar da cultura. E propõe que cultura e compreensão sejam entendidas como denominações do fato de que, como animal simbólico, o homem participa da cultura como um macrossistema comunicativo quando abraça compreensivamente práticas científicas e não científicas de conhecimento.

Palabras clave


Comunicação. Cultura. Compreensão como método. Dialogismo. Ecologia da Comunicação.

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Adorno, T. (1986). O ensaio como forma. In G. Cohn (Org.). Theodor Adorno. (pp.167-18) São Paulo, Ática.

Arendt, H. (2008). Compreender: formação, exílio e totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras.

Baitello Jr., N. (2005). Os meios da incomunicação. A outra face, demasiadamente humana, dos vínculos. In N. Baitello Jr. M. Contrera, & J. E. Menezes (Orgs.). Os meios da incomunicação. (pp.8-11) São Paulo: Annablume.

Baitello Jr., N. (1997). O animal que parou os relógios. São Paulo: Annablume.

Bakhtin, M. (2010). Problemas da poética de Dostoiévski. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Berger, P. L., & Luckmann, T. (2009). A construção social da realidade. 30. ed. Petrópolis: Vozes.

Brait, B. (2005). Bakhtin e a natureza constitutivamente dialógica da linguagem. In B. Brait (Org.). Bakhtin – Dialogismo e construção do sentido. 2. ed. Campinas: Editora Unicamp.

Buber, M. (1982). Do diálogo e do dialógico. São Paulo: Perspectiva.

Buber, M. (2004). Eu e tu. 8. ed. São Paulo: Centauro.

Campbell, J. (2007). O herói de mil faces. São Paulo: Pensamento.

Cassirer, E. (1994). Ensaio Sobre o Homem. São Paulo: Martins Fontes.

Dilthey, W. (2010). Introdução às ciências humanas. Rio de Janeiro: Gen.

Freud, S. (1996). O mal-estar na civilização. Rio de Janeiro: Imago.

Flusser, V. (2007). Bodenlos: uma autobiografia filosófica. São Paulo: Annablume.

Funtowicz, S. O., & Ravetz, J. Science for the post-normal age. Futures, 25 (7), 739-755, set. 1993.

Jung, C. G. (2012). Resposta a Jó. 10. ed. Petrópolis: Vozes.

Kaufmann, J. (2013). A entrevista compreensiva: um guia para pesquisa de campo. Petrópolis: Vozes.

Kuhn, T. S. ()2006. A estrutura das revoluções científicas. 9. ed. São Paulo: Perspectiva.

Künsch, D. (2008). Teoria compreensiva da comunicação (2008). In D. Künsch & L. M. Barros (Orgs.). Comunicação: saber, arte ou ciência?. (pp. 173-195) São Paulo: Plêiade.

Künsch, D. (2010). Comunicação e pensamento compreensivo: um breve balanço. In D. Künsch, L. M. S. Martino (Orgs.). Comunicação, jornalismo e compreensão (pp.13-47). São Paulo, Plêiade. Künsch, D. (2016). A academia, a comunicação e a compreensão: saberes plurais em roda de conversa. Tríade: Comunicação, Cultura e Mídia, 4, 6-22.

Künsch, D., Azevedo, G, Brito, P. D., & Mansi, V. (Orgs.) (2014). Comunicação, diálogo e compreensão. São Paulo: Plêiade.

Latour, B. (2000). Ciência em ação. São Paulo: Editora Unesp.

Latour, B., & Woolgar, S. (1997). A vida de laboratório. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Lévi-Strauss, C. (2014). Antropologia estrutural 2. São Paulo: CosacNaify.

Martino, L. M. S. (2014). A compreensão como método. In D. Künsch, G. Azevedo, P. D. Brito, & V. Mansi. (Orgs.) Comunicação, diálogo e compreensão (pp. 17-37) São Paulo: Plêiade.

Martino, L. M. S. (2016). Epistemologia da alteridade: entre o erklären (explicar) e o verstehen (compreender) de outrem. Líbero, 19 (37-A), 101-108.

Medina, C. (2016). O invisível à luz da experiência e da compreensão. In: D. Künsch, M. Y. Passos, P. D. Brito, & V. Mansi (Orgs.). Comunicação e estudo e práticas de compreensão (pp.11-28), São Paulo: UNI.

Montaigne, M. (2010). Os ensaios. São Paulo: Companhia das Letras,.

Morin, E. (2011a) Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2. ed. São Paulo: Cortez; Brasília: Unesco.

Morin, E. (2011b) O método 4. As ideias: habitat, vida, costumes, organização. Porto Alegre: Sulina.

Paz, O. (1998). Soror Juana Ines de La Cruz: as armadilhas da fé. São Paulo: Mandarim.

Popper, K. R. (1975). A lógica da pesquisa científica. São Paulo: Cultrix/Edusp.

Pross, H. (1993). Memoiren eines Inländers 1923-1993. München: Artemis.

Romano, Vicente (2004). Ecología de la comunicación. Hondarribia: Argitaletxe Hiru.

Rosa, J. G. (2001). Grande sertão: veredas. 19. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Santos, B. S. (2008). A filosofia à venda, a douta ignorância e a aposta de Pascal. Revista Crítica de Ciências Sociais, 80, 11-43.

Santos, B. S. (1989). Introdução a uma ciência pós-moderna. 4. ed. Rio de Janeiro: Graal.

Silva, M. R. (2012). Na órbita do imaginário: comunicação, imagem e os espaços da vida. São José do Rio Preto: Bluecom.

Suassuna, A. (2008). A arte popular no Brasil. In A. Suassuna, & C. Newton Junior (Orgs.). Almanaque Armorial (pp.151-160). Rio de Janeiro: José Olympio.




DOI: https://doi.org/10.16921/chasqui.v1i146.3514

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2021 Dimas Künsch, Dimas A. Künsch, José Eugênio de Oliveira Menezes, Mateus Yuri Passos

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

convocatorias

Es una edición cuatrimestral creada y editada por CIESPAL.
Av. Diego de Almagro N32-133 y Andrade Marín.
Quito-Ecuador.

Síguenos en:

convocatorias

convocatorias

Revista Chasqui 2018
está bajo Licencia Creative Commons Atribución-SinDerivar 4.0 Internacional.