Paulo Emílio Salles Gomes e a conservação do patrimônio cinematográfico brasileiro

Marcia Regina Carvalho da Silva

Resumen


Resumo: Este artigo apresenta um perfil do crítico e historiador Paulo Emilio Salles Gomes um dos mais completos intelectuais brasileiros, pioneiro no ensino e pesquisa de cinema, com atuação em festivais e congressos nacionais e internacionais, e um forte defensor da necessidade de conservação dos filmes em arquivos, lutando pela criação da Cinemateca Brasileira. Seu percurso de vida construiu avanços fundamentais para a área de cinema no Brasil, instigando um debate cultural mais amplo e inaugurando os estudos de história do cinema brasileiro, colaborando definitivamente para a escrita da história da comunicação no país.

 

Palavras-chave: Paulo Emílio Salles Gomes; cinema brasileiro; jornalismo cultural; Cinemateca Brasileira; história da Comunicação no Brasil.


Palabras clave


Paulo Emílio Salles Gomes; cinema brasileiro; jornalismo cultural; Cinemateca Brasileira; história da Comunicação no Brasil.

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Adhemar Gonazaga: Um pioneiro (Dossiê). Filme e Cultura, n. 8, Rio de Janeiro, mar, 1968, p. 2-17.

ARAÚJO, Vicente de Paula. A Bela Época do cinema brasileiro. São Paulo: Perspectiva, 1976.

________. Salões, circos e cinemas de São Paulo. São Paulo: Perspectiva, 1981.

AUTRAN, Arthur. Alex Viany: crítico e historiador. São Paulo, Perspectiva, 2003.

________. O pensamento industrial cinematográfico brasileiro. Tese de doutorado. Campinas: MULTIMEIOS, IA-UNICAMP, 2004.

________. Panorama da historiografia do cinema brasileiro. Revista Alceu, V. 7, n. 14, p. 17-30, Jan/Jun de 2007.

BERNARDET, Jean-Claude. Brasil em tempo de cinema. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

____________. Filmografia do Cinema Brasileiro, 1898-1930, Jornal O Estado de São Paulo. São Paulo: Comissão Estadual de Cinema, 1979.

____________. Cinema brasileiro: propostas para uma história. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

___________. Historiografia clássica do cinema brasileiro. São Paulo: Annablume, 1995.

___________. Cineastas e imagens do povo. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

BERNARDET, Lucila Ribeiro. O Cinema pernambucano de 1922 a 1931: primeira abordagem. São Paulo: ECA-USP, 1970.

CALIL, Carlos Augusto e MACHADO, Maria Teresa (org.). Paulo Emilio: um intelectual na linha de frente. Embrafilme/Ministério da Cultura/Brasiliense: São Paulo, 1986.

CANDIDO, Antonio. “A nova narrativa”. In: A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Ática, 1989, p. 199-215.

DUARTE, B.J. “Pequena história do cinema brasileiro”. In: Anhembi. São Paulo, v. XXII, n. 64, mar, 1965.

FREIRE RAMOS, Alcides. “Historiografia do cinema brasileiro diante da fronteira entre o trágico e o cômico: redescobrindo a chanchada”. In: Fênix ─ Revista de História e Estudos Culturais. Vol. 2, Ano II, n. 4. Uberlândia, outubro/novembro/dezembro de 2005, p. 1-15. Disponível em: www.revistafenix.pro.br. Acessado em 10/08/2013.

FUTEMMA, Olga. Rastros de perícia, método e intuição. Dissertação de mestrado. São Paulo: ECA-USP, 2006.

GALVÃO, Maria Rita. Crônica do Cinema Paulistano. São Paulo: Ática, 1975.

________. Companhia cinematográfica Vera Cruz – a fábrica de sonhos. (Tese de doutorado). São Paulo: ECA-USP, 1975, 5 volumes.

________. Burguesia e cinema: o caso Vera Cruz. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1981.

________; BERNARDET, Jean-Claude. O nacional e o popular na cultura brasileira - Cinema: Repercussões em caixa de eco ideológica. São Paulo: Brasiliense / Embrafilme, 1983.

GOMES, Paulo Emílio Salles Gomes. “Nought for Behaviour – a study of the making of Jean Vigo’s film Zéro de conduite”. In: The cinema. London: Penguin Books, 1951.

_______. Jean Vigo. Paris: Seuil, 1957.

_______;GONZAGA, Adhemar. 70 anos de cinema brasileiro. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 1966.

_______. Humberto Mauro, Cataguases, Cinearte. São Paulo: Perspectiva, 1974.

_______. “A personagem cinematográfica”. In: CANDIDO, Antonio (org.). A personagem de ficção. São Paulo: Perspectiva, 1968.

_______. Cinema: trajetória no subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

_______. Crítica de cinema no Suplemento Literário - Volume I. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

_______. Crítica de cinema no Suplemento Literário - Volume II. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

_______. Jean Vigo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

_______. Vigo, vulgo Almereyda. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

_______. Capitu. São Paulo: Sciliano, 1993.

_______. Três mulheres de três PPPês. São Paulo: Cosacnaify, 2007.

_______. Cemitério. São Paulo: Cosacnaify, 2007.

GONZAGA, Adhemar. “A história do cinema brasileiro”. In: Jornal do Cinema. 6 (40): 51-54, ago, 1956

__________. “A história do cinema brasileiro. II capítulo: onde o cinema se firma como a diversão dos brasileiros”. In: Jornal do Cinema, 6 (40): 47-51, maio, 1957

LIMA, Pedro. “O cinema no Brasil”. In: Selecta, Rio de Janeiro, 1924

MENDES, Adilson. Escrever cinema: a crítica cinematográfica de Paulo Emílio Salles Gomes (1935-1952). Dissertação de mestrado. São Paulo: ECA-USP, 2007.

________. A crítica viva de Paulo Emilio. Tese de doutorado. São Paulo: ECA-USP, 2012.

________. “A biblioteca de Paulo Emílio”. In: Revista da Cinemateca Brasileira, número 1, São Paulo: Cinemateca Brasileira, 2012, p. 61-75.

MORAES, Vinicius de. “Crônicas para a história do cinema no Brasil”. In: Clima, São Paulo, 1944.

________. O cinema dos meus olhos. Organização, introdução e notas de Carlos Augusto Calil. São Paulo: Companhia das Letras/ Cinemateca Brasileira, 1991.

NOBRE, Francisco Silva. Pequena história do cinema brasileiro. Rio de Janeiro: Associação Atlética Banco do Brasil, 1955.

ORTIZ, Carlos. O romance do gato preto: história breve do cinema. Rio de Janeiro: Casa do Estudante do Brasil, 1952.

PAIVA, Samuel. “Cinema ocupante ou ocupado: noções de Paulo Emilio”. In: CATANI, A. M. et al (org.). Estudos de cinema Socine, ano V, São Paulo: Panorama, 2003, p. 375-382.

PINTO, Pedro Plaza. Paulo Emílio e a emergência do Cinema Novo. Tese de Doutorado. São Paulo: ECA-USP, 2008.

RAMOS, Fernão Pessoa. (org.). História do cinema brasileiro. São Paulo: Art Editora, 1987.

________; MIRANDA, Luiz Felipe (org.). Enciclopédia do cinema brasileiro. São Paulo: Editora Senac, 2000.

ROCHA, Glauber. Revolução do Cinema Novo. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.

_______. Revisão crítica do Cinema Brasileiro. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.

SCHWARZ, Roberto. “Sobre as Três mulheres de três Pppês”. In: Cultura e política. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

SOUZA, Carlos Roberto de. O cinema em Campinas nos anos 20 ou Uma Hollywood Brasileira. Dissertação de mestrado. São Paulo: ECA-USP, 1979.

_______. A Cinemateca Brasileira e a preservação de filmes no Brasil. Tese de doutorado. São Paulo: ECA-USP, 2009.

SOUZA, José Inácio de Melo. Paulo Emílio no Paraíso. Rio de Janeiro: Record, 2002.

_______. Imagens do passado: São Paulo e Rio de Janeiro nos primórdios do cinema. São Paulo: Senac, 2004.

TAVARES, Zulmira Ribeiro. “Paulo Emilio: Cinema e Brasil – um ensaio interrompido”. In: GOMES, Paulo Emilio Salles. Cinema: trajetória no subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

_________. “Biografismo em Paulo Emilio (simplicidade e ardil)”. In: CALIL, Carlos Augusto e MACHADO, Maria Teresa (org.). Paulo Emilio: um intelectual na linha de frente. Embrafilme/Ministério da Cultura/Brasiliense: São Paulo, 1986, p.343-348.

TELLES, Lygia Fagundes. “Paulo Emilio”. In: Homenagem a Paulo Emilio. São Paulo: Cinemateca Brasileira, disponível em: http://www.cinemateca.gov.br/pauloemilio/. Acessado em 20/08/2013.

VIANY, Alex. Introdução ao cinema brasileiro. Rio de Janeiro: MEC/Instituto Nacional do Livro, 1959.

______. O processo do cinema novo. Rio de Janeiro: Aeroplano, 1999.

XAVIER, Ismail. Sétima arte: um culto moderno. São Paulo: Perspectiva, 1978.

______. Sertão-mar: Glauber Rocha e a estética da fome. São Paulo: Brasiliense, 1983.

______. O discurso cinematográfico – a opacidade e a transparência. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

______(org.). O desafio do cinema: a Política do Estado e a Política dos Autores. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

______. Alegorias do subdesenvolvimento: cinema novo, tropicalismo, cinema marginal. São Paulo: Brasiliense, 1993.

______. O cinema brasileiro moderno. São Paulo: Paz e Terra, 2001.




DOI: https://doi.org/10.16921/chasqui.v1i142.3415

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2020 Marcia Regina Carvalho da Silva

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

convocatorias

Es una edición cuatrimestral creada y editada por CIESPAL.
Av. Diego de Almagro N32-133 y Andrade Marín.
Quito-Ecuador.

Síguenos en:

convocatorias

convocatorias

Revista Chasqui 2018
está bajo Licencia Creative Commons Atribución-SinDerivar 4.0 Internacional.