Una experiencia de educomunicación innovadora: las historietas sobre nanotecnología producidos en Brasil

Josemari Quevedo, Eloisa Beling Loose

Resumen


Este artículo examina el alcance de la educomunicación como una posibilidad explicativa sobre la nanotecnología por medio de historietas. Incluso en sus potenciales beneficios, la nanotecnología está impregnada de incertidumbre sobre riesgos e impactos ambientales y sociales; además de presentar una ausencia de debate público sobre implicaciones y controversias. Ante esto, discutimos aspectos de la educomunicación potenciados por los cómics a fin de evaluar cómo ciertos asuntos complejos pueden ser abordados con un público más amplio. Metodológicamente, se lleva a cabo un análisis cualitativo a partir del método descriptivo para verificar cómo las historietas trabajan con la nanotecnología. Se realiza una interpretación sobre los enfoques adoptados y se examinan sus potenciales para educar sobre los efectos y las consecuencias de la nanotecnología.

Palabras clave


análisis cualitativo; metodología; educación; imagen; ciencia; revistas

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Azoulay, D. (2014). Managing the unseen: opportunities and challenges wit nanotechnology. Swedish Society for Nature Conservation Report. Stockholm.

Bertineti, E. P.; Brum, M. L. T. & Oliveira, N. A. (2016). Hermenêutica e Educação: Um Diálogo com a Realidade. Revista Gestão Universitária. https://bit.ly/2xlRov3.

Citelli, A. (2010). Comunicação e educação: convergências educomunicativas, Comunicação, Mídia e Consumo, 7(19), 68-85.

Coutinho, C. P. (2013). Metodologia de Investigação em Ciências Sociais e Humanas. Coimbra: Almedina.

Eisner, W. (1999). Quadrinhos e arte sequencial. São Paulo: Martins Fontes.

Engelmann, W. (org.) (2015). Nanotecnologia nos cosméticos. Erechim: Deviant.

Esteves, D. (2013). Nanotecnologia no campo. Serie Nanotecnologia em Quadrinhos: n.4. Desenho: William Gene. São Paulo: Fundacentro.

Esteves, D. (2014). Nanotecnologia nos alimentos. Juiz de Fora: Ed. Juizforana.

Foss Hansen, S., Maynard, A., Baun, A., Tickner, J. A. & Bowman, D. M. (2013). Nanotechnology − early lessons from early warnings. En Late lessons from early warnings: science, precaution, innovation. EEA Report N°1. European Environment Agency. https://bit.ly/2D82oS1

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Orozco Gómez, G. (1997). Paradigmas de Producción de Conocimientos. En Orozco Gómez, G. La Investigación en Comunicación desde La Perspectiva Cualitativa. Guadalajara: Instituto Mexicano para el Desarrollo Comunitario.

Invernizzi, N. & Foladori, G. (2013). Posições de Sindicatos e ONGs sobre os riscos e a regulação da nanotecnologia. Visa em Debate, 1(4). https://bit.ly/2DaYGqT.

Invernizzi, N., Foladori, G. & Quevedo, J. (2017). The Rise (and Fall?) of Nanotechnology Policy in Brazil. Em Bowman, D.M.; Dijkstra, A.; Fautz, C., Guivant, J.; Konrad, K., Shelley- Egan, C.; Woll, S.; The Politics and Situatedness of Emerging Technologies. Berlin: IOS Press, 69- 90.

Jensen, T. F. (2010). Nanotecnologia: maravilhas e incertezas no universo da química. Serie Nanotecnologia em Quadrinhos: n.2. Roteiro de Antonio Garcia Vieira. São Paulo: Fundacentro.

Jordan, C., Kaiser, I. & Moore, V. (2013). Nanotechnology Patent Survey: Who Will be the Leaders in the Fifth Technology Revolution. Nanotechnology, Law & Business 9 (2).

Kriebel, D. (2009). How much evidence is enough? Conventions of causal inference. Law and Contemporary Problems 72(1), 121-136.

Lacour, S. & Vinck, D. (2011). Nanoparticles, nanomaterials, what are we talking about? Socio-Legal views on constructing the object of regulation in the field of “nano” risks. Paris: INRS.

Leinonen, A. & Kivisaari, S. (2010). Nanotechnology perceptions: Literature review on media coverage, public opinion and NGO perspectives. VTT Technical Research Centre of Finland Research Notes.

Lessard-Hérbert, M., Goyette, G. & Boutin, G. (1990). Pesquisa qualitativa. Lisboa: Instituto Piaget.

Lucas, D. H., Fernandes, C & Rosa, R. (2013). Histórias em Quadrinhos: A construção de uma metodologia educomunicativa. Córdoba, Argentina: VI Encuentro Panamericano de Comunicación – COMPANAM.

Martins, G. de A.. & Theóphilo, C. R. (2016). Metodologia de Pesquisa Científica para Ciências Sociais Aplicadas. São Paulo: Editora Atlas.

Mccloud, S.. (1995). Desvendando os quadrinhos. São Paulo: Makron Books.

Mcgurk, C. (2016). Communicating the Value of Cartoon Art Across University Classrooms: Experiences From the Ohio State University Billy Ireland Cartoon Library and Museum. New Review of Academic Librarianship, 22 (2-3), 192-202.

MCTI [Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação] (2011). Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2012-2015. Balanço das Atividades Estruturantes 2011. Brasília. https://bit.ly/2piRK12.

Miller, G. & Scrinis, G. (2010). The Role of NGO’s in Governing Nanotechnologies: Challenging the “Benefits Versus Risk” Framing of Nanotech Innovation, In: Hodge, G., Bowman, D., & Mainard, A. (eds.). International Handbook on Regulating Nanotechnologies. (409-445). Cheltenham, UK; Northampton, MA, USA: Edward Elgas.

Miranda, A. S. (2007). Divulgação da ciência e educomunicação: contribuições do jornal escolar para a alfabetização científica. Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Educação Científica e Tecnológica. Florianópolis-SC: Universidade Federal de Santa Catarina.

Pinto, A. C. (2008). Nanotecnologia: o transporte para um novo universo. Serie Nanotecnologia em quadrinhos: n.1. Roteiro de Antonio Gracias Vieira. São Paulo: Fundacentro.

Quevedo, J. & Invernizzi, N. (2017). A Rede De Atores das Proposições de Regulação da Nanotecnologia no Brasil. Redes, vol. 23, no 44, Bernal, junio, pp. 77-101.

Quevedo, J., Ferreira, J. H. & Invernizzi, N. (2016). O mini-público como modelo comunicacional de promoção ao debate sobre riscos da nanotecnologia no Brasil. Trabalho apresentado no Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XVII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sul. Curitiba.

Ramos, P. (2015). Histórias em quadrinhos na formação de professores: uma discussão necessária. In: Pereira, S. & Toscano, M. (Eds). (pp. 432-443) Literacia, Media e Cidadania - Livro de Atas do 3.º Congresso. Braga: CECS, 2015.

Ribas, C. C., Silva, J. M. & Festa, P. S. V. (2015). Inovação Educacional na Educação Superior: Possibilidades e Desafios Contemplados sobre o Tema. Anais do XII Educere, III Sirsse, V SIPD-Cátedra Unesco e IX ENAEH. Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

Ribeiro, R. (2012). A educomunicação como alternativa para criação de ecossistemas comunicativos nas organizações: uma análise do Programa “Veja na sala de aula”, Comunicação & Informação, 15 (2), 80-96.

RS & RAE; [Royal Society & The Royal Academy Of Engineering]. (2004). Nanoscience and nanotechnologies: opportunities and uncertainties. London: The Royal Society: https://bit.ly/2xlt4td.

Schulz, P. (2009). A encruzilhada da nanotecnologia: inovação, tecnologias e riscos. Rio de Janeiro: Vieira & Lent.

Soares, I. (2000). Educomunicação: um campo de mediações, Comunicação & Educação, 19, 12-24.

Soares, I. (2011). Educomunicação: O conceito, o profissional e a aplicação. São Paulo: Paulinas.

Soares, I. (2014). Educomunicação e a formação de professores no século XXI, Revista FGV Online. v. 4, n. 1, 19-33. https://bit.ly/2MKCOSK.

Vergueiro, W. (2004). Como usar as Histórias em Quadrinhos na sala de aula. In: Rama, A. & Vergueiro, W. (org.) Uso das HQs no ensino (7-30). São Paulo: Contexto.

Vieira Filho, A. G. (2013). Nanotecnologia: um universo em construção. Serie Nanotecnologia em quadrinhos: n.3. São Paulo: Fundacentro.

Wolton, D. (2004). Pensar a Comunicação. Brasília: Editora Universidade de Brasília.




DOI: https://doi.org/10.16921/chasqui.v0i138.3329

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2019 Eloisa Beling Loose

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

convocatorias

Es una edición cuatrimestral creada y editada por CIESPAL.
Av. Diego de Almagro N32-133 y Andrade Marín.
Quito-Ecuador.

Síguenos en:

convocatorias

convocatorias

Revista Chasqui 2018
está bajo Licencia Creative Commons Atribución-SinDerivar 4.0 Internacional.