As qualidades ecológicas das redes indígenas no Brasil

Eliete da Silva PEREIRA, Massimo DI FELICE

Resumen


Este artigo trata do processo da formação de redes sociotécnicas indígenas no Brasil a partir da análise de três experiências: a Rede Povos da Floresta, a Rede Indígena de Memória e Museologia Social e a Rede CineFlecha. Por meio de uma pesquisa qualitativa de cunho teórico investigou-se as arquiteturas informativas destas três redes, analisando suas especificidades hipertextuais, na qual verificou-se, além de uma intensa atuação comunicativa, suas qualidades cosmopolíticas e ecológicas. A observação e o estudo dessas redes exprimem um particular tipo de interação que vai além da dimensão técnica e social abrangendo a esfera ecológica, ambiental e cosmológica.    

  


Palabras clave


comunicação digital; digitalização; redes indígenas; povos indígenas; redes sociotécnicas

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Almeida, M. B. (2004). “Direitos à floresta e ambientalismo: seringueiros e suas lutas”. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 19. n. 55. São Paulo, p. 33-53.

Amaral, A. (2009) “Autonetnografia e inserção online: o papel do pesquisador insider nas práticas comunicacionais das subculturas”. In: Revista Fronteiras-Estudos Midiáticos, vol. 11, São Leopoldo, RS, p. 14-24.

Carelli, V. (1998). Crônica de uma oficina de vídeo. São Paulo, agosto de 1998. Disponível em: http://www.videonasaldeias.org.br/2009/biblioteca.php?c=24. Acesso em: 21 fev. 2010.

Carneiro da Cunha, M. C. e Almeida, M. B. (2002). Enciclopédia da Floresta – o Alto Juruá: práticas e conhecimentos das populações. São Paulo: Companhia das Letras.

Cury, M. X. (2017). Circuitos museais para a visitação crítica: descolonização e protagonismo indígena. Revista Iberoamericana de Turismo, v. 7, p. 87-113.

Deleuze, G & Guattari, F. (1995). Mil Platôs: Capitalismo e esquizofrenia. Vol. 01, Rio de Janeiro: Ed. 34.

Di Felice, M. Paisagens pós-urbanas: o fim da experiência urbana e as formas comunicativas do habitar. São Paulo: Annablume, 2009.

Di Felice, M. (2017). Net-ativismo: da ação social para o ato conectivo. São Paulo: Paulus.

Di Felice, M. e PEREIRA, E. S. (orgs). (2017). Redes e ecologias comunicativas indígenas: as contribuições dos povos originários à teoria da comunicação. São Paulo: Paulus, 2017.

Floridi, L. (2014). The Fourth Revolution. How the Infosphere Is Reshaping human Reality. Oxford: Oxford University Press.

Franco, T. et tal. (2020). O net-ativismo indígena na Amazônia, em contextos pandêmicos. Estudos em Comunicação, v. 31, p. 109-131.

Franco, T. (2019). Ameríndios Conectados: As formas comunicativas de habitar e narrar o mundo, de acordo com as imagens dos modernos e dos Krahô. Tese de doutorado, Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo.

Gomes A. O. (2019). Museus indígenas, mobilizações étnicas e cosmopolíticas da memória: um estudo antropológico. Tese (Doutorado em Antropologia) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Granovetter, M. (1973). “The strength of weak ties”. American Journal of Sociology; vol. 78, N º 6, p. 1360-1380.

Heidegger, M. (1977) Saggi e discorsi. Milano: Mursia.

Hine, C. (2000). Virtual Ethnography. London, Sage.

Hui, Y. (2020). Tecnodiversidade. São Paulo, Ubu.

Klein, T. (2013). Práticas midiáticas e redes de relação entre os Kaiowá e Guarani em Mato Grosso do sul. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Kopenawa, D & Albert, B. (2015). A queda do céu. Palavras de um xamã yanomami. São Paulo. Cia das Letras.

Kozinets, R. V (2010). Netnography: Doing Ethnographic Research Online. London, Sage.

Latour, B. (2004). Políticas da Natureza: como fazer ciência na democracia. Bauru, Edusc.

__________. (2012). Reagregando o social: uma introdução à teoria do Ator-Rede. Salvador: Edufba, Bauru-SP: Edusc.

Lemos, A. (2010). A comunicação das coisas. São Paulo: Editora Annablume.

Lessin, L. (2011). Nos rastros de yakuruna: a partida de Pawa e a pós- sustentabilidade Ashaninka. 2011. 204f. Tese (Doutorado em Antropologia) – Departamento em Antropologia, Universidade Estadual de São Paulo, Marília.

Mariotto, C. (2014). Produto I. Políticas Públicas de Inclusão Digital. Relatório analítico sobre o impacto dessas políticas de inclusão digital em comunidades indígenas. Brasília, Ministério das Comunicações, 2014.

Mattelart, A. e M. (2003). História das teorias da comunicação. São Paulo: Edições Loyola, 2003.

Morales, E. N. (2008). Apropriação de uma política pública de "inclusão digital" entre os Pataxós de Coroa Vermelha, Bahia. 112 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia), Universidade de Brasília, Brasília.

Moreira, F. C. (2014). Redes xamânicas e redes digitais: por uma concepção ecológica de comunicação. 2014. 272f. Dissertação. (Mestrado em Ciências da Comunicação). Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo.

Morin, E. (2001). Il método – la natura della natura. Milão: Raffaello Cortina Editore, 2001.

Pereira, E. S. (2012). Ciborgues indígen@s.br: a presença nativa no ciberespaço. São Paulo: Annablume.

Pereira, E. S. (2013). O local digital das culturas: as interações entre culturas, mídias digitais e território. Tese. (Doutorado em Ciências da Comunicação). Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo.

Pereira, E. S. (2020). “Nos circuitos do Muká Mukaú – o Portal da Cultura Viva Pataxó”. Cury, M. X (org,). Questões indígenas e Museus. Brodowski: ACAM Portinari, MAE-USP, p.191-202.

Pereira, E. S. (2017). Net-ativismo indígena brasileiro: notas sobre a atuação comunicativa indígena nas redes digitais. In: Di Felice, M; Pereira, E.; Roza, E. Net-ativismo: redes digitais e novas práticas de participação. Campinas, Papirus, 2017, pp. 169-182.

Pereira, E. S.; Di Felice, M. (2017). Communicative Forms of Indigenous Dwelling: The Digitalization of the Forest and Native Net-Activism in Brazil. In: Drzewiecka, J. & Nakayama, T. Global Dialectics in Intercultural Communication - Case Studies. New York, Peter Lang.

Pimenta, J. (2007). Indigenismo e ambientalismo na Amazônia ocidental: a propósito dos Ashaninka do rio Amônia. In: Revista de Antropologia. v.50 n.2 São Paulo dez.

Renesse, N. (2012) Perspectivas indígenas sobre e na internet: ensaio regressivo sobre o uso da comunicação em grupos ameríndios do Brasil. Dissertação de mestrado. Departamento de Antropologia, Universidade de São Paulo.

Rifiotis, T. (2010) “Antropologia do ciberespaço: questões teórico-metodológicas sobre a pesquisa de campo e modelos de sociabilidade”. In: Rifiotis, T, Maximo, M. E., Lacerda, J. S., Segata, J. Antropologia do ciberespaço. Florianópolis: Editora da UFSC, p. 15-27.

Robertson, R. (1992). Globalization: Social Theory and Global Culture. Sage Publications, London.

Santaella, L. (2004). Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulus.

____________. (2010). Ecologia pluralista da comunicação. São Paulo: Editora Paulus.

Stengers, I. (2011). Cosmopolitics II. (Posthumanities). Minneapolis: University of Minessota Press.

Sztutman, R. (2012). O profeta e o principal: a ação política ameríndia e seus personagens. 1. ed. São Paulo: Edusp.

Vieira Neto, J. & Pereira, E. (2017). Povos indígenas no Brasil, museus e memória: questões emergentes. In: Revista do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc. N. 5, setembro.

Viveiros de Castro, E. (2015). Metafísicas canibais – elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: CosacNaify, N-1 Edições.




DOI: https://doi.org/10.16921/chasqui.v1i147.4497

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2021 Eliete da Silva Pereira, Massimo Di Felice

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

convocatorias

Es una edición cuatrimestral creada y editada por CIESPAL.
Av. Diego de Almagro N32-133 y Andrade Marín.
Quito-Ecuador.

Síguenos en:

convocatorias

convocatorias

Revista Chasqui 2018
está bajo Licencia Creative Commons Atribución-SinDerivar 4.0 Internacional.