Expertise no jornalismo: considerações sobre a autoridade profissional no contexto da desinformação impulsionada pelos algoritmos

Leonel AZEVEDO DE AGUIAR, Cláudia Miranda RODRIGUES

Resumen


O processo global de disseminação de desinformação e dispersão de conteúdo falso nas plataformas digitais, acirrado pela ação dos algoritmos, contribui para a erosão da credibilidade de um dos polos que integram o campo jornalístico: o polo profissional. A configuração contemporânea da ecologia das mídias, que se acentua com a descrença em relação à importância da expertise, resulta na desqualificação dos valores da cultura dos jornalistas e do jornalismo enquanto forma de conhecimento. Este artigo conduz uma reflexão sobre a erosão da autoridade profissional dos jornalistas, com respaldo em Abramson (2019), Kakutani (2018), Nichols (2017) e Schudson (2014; 2010). Discute ainda a noção de sistema perito e a relação entre objetividade e big data como indicadores da qualidade jornalística.


Palabras clave


jornalismo; credibilidade; autoridade profissional; teorias do jornalismo; desinformação.

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Abramson, Jill (2019). Merchants of Truth: the business of news and the fight for facts. New York: Simon & Schuster.

Anderson, Chris W. (2018). Apostles of certainty. Data Journalism and politics of doubt. Oxford: Oxford University Press.

Charbonneaux, Juliette & Gkouskou-Giannakou, Pergia (2015). O jornalismo de “da-dos”, uma prática de investigação? Um olhar sobre os casos alemão e grego. Brazilian Journalism Research, 2(11), 266-291.

Franciscato, Carlos Eduardo & Guerra, Josenildo (2006). Contributions of qualitative research to journalistic reporting. Brazilian Journalism Research, 2(2), 83-97.

Giddens, Anthony (1990). As consequências da modernidade. São Paulo: Ed.Unesp.

Gitlin, Todd (1964). News is what newspapermen make it. Em Antony Dexter Lewis & David White (Eds.), People, society and mass communications (pp. 172-182). New York: Free Press.

Gray, J.; Bounegru, l.; Chambers, L. The Data Journalism Handbook. Sebastopol: O’Reilly Media, 2012.

Groth, Otto (2011). O poder cultural desconhecido: fundamentos da Ciência dos Jor-nais. Petropólis: Vozes.

Guerra, Josenildo (1998). A objetividade no jornalismo. (Dissertação de mestrado). Faculdade de Comunicação, Universidade Federal da Bahia.

Hall, Stuart & et al. (1973). The Social Production of News: mugging in the media. Em Stanley Cohen & Jock Young (Eds.), The Manufacture of News (pp. 224-248). Beverly Hills, Ca: Sage Publications.

Herman, E.S. & Chomsky, N. (2002). Manufacturing Consent. Nova York: Pantheon Books.

Hermida, Alfred & Young, Mary Lynn (2019). Data Journalism and the Regeneration of News. New York: Routledge.

Howard, B. (2014). The Art and Science of Data-Driven Journalism. New York: Colum-bia Journalism School.

Hofstadter, Richard (1962). Anti-Intellectualism in American Life. New York: Vintage Books.

Jacoby, Susan (2008). The Age of American Unreason. New York: Pantheon Books.

Kakutani, Michiko (2018). A morte da verdade. Rio de Janeiro: Intrínseca.

Kavanagh, Jennifer & Rich, Michael (2018). Truth Decay: An Initial Exploration of the Diminishing Role of Facts and Analysis in American Public Life. Santa Monica: Rand Corporation.

Kovach, Bill & Rosenstiel, Tom (2003). Os elementos do jornalismo: o que os jornalistas devem saber e o público exigir. São Paulo: Geração Editorial.

Levitsky, S. & Ziblat, D. (2018). Como as democracias morrem. Rio de Janeiro: Zahar.

Lewis, Seth C. (2015). Journalism In An Era Of Big Data. Digital Journalism, 3(3), 321-330.

Lisboa, Silvia (2012). Jornalismo e a credibilidade percebida pelo leitor: independência, imparcialidade, honestidade, objetividade e coerência. (Dissertação de Mestrado em Comunicação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Meyer, Philip (2002). Precision Journalism: A reporter’s Introduction to Social Science Methods. Maryland: Rowman & Littefield.

Merritt, Davis & McCombs Maxwell (2004). The Two W’s of Journalism: The Why and What of Public Affairs Reporting. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum Associates.

Miguel, Luiz Felipe (1999). O jornalismo como sistema perito. Tempo Social, 11(1), 197-208.

Moraes, D. (2013). Agências alternativas em rede e democratização da informação na América Latina. Em D. Moraes et al. (Eds.). Mídia, poder e contrapoder. Da concentra-ção monopólica à democratização da informação. São Paulo: Boitempo Editorial.

Nichols, Thomas (2017). The death of expertise. The Campaign Against Established Knowledge And Why It Matters. New York: Oxford University Press.

Orwell, George (1981). Looking Back on the Spanish War. Em ___. A Collection of Essays. New York: Houghton Mifflin Harcourt.

Parasie, Sylvain (2015). Data-Driven Revelation? Epistemological tensions in investi-gative journalism in the age of big data. Digital Journalism, 3(3), 364-380.

Schudson, Michael (2014). A norma da objetividade no jornalismo Americano. Em Igor Sacramento & Letícia Matheus Cantarela (Eds.). História da Comunicação. Rio de Ja-neiro: Mauad.

_____. (2010). Descobrindo a notícia: uma história social dos jornais nos Estados Uni-dos. Petrópolis: Vozes.

Sponholz, Liriam (2009). Jornalismo, conhecimento e objetividade: além do espelho e das construções. Florianópolis: Insular.

Traquina, N. (2012). Teorias do Jornalismo. Por que as notícias são como são. Floria-nópolis: Insular.

Tuchman, Gaye (1999). A objectividade como ritual estratégico: uma análise das no-ções de objectividade dos jornalistas. Em Nelson Traquina (Ed.). Jornalismo: questões, teorias e “estórias”. Lisboa: Vega.




DOI: https://doi.org/10.16921/chasqui.v1i147.4371

Enlaces refback





Copyright (c) 2021 Leonel Azevedo de Aguiar, Cláudia Miranda Rodrigues

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

convocatorias

Es una edición cuatrimestral creada y editada por CIESPAL.
Av. Diego de Almagro N32-133 y Andrade Marín.
Quito-Ecuador.

Síguenos en:

convocatorias

convocatorias

Revista Chasqui 2018
está bajo Licencia Creative Commons Atribución-SinDerivar 4.0 Internacional.