Comunicação cidadã na Amazônia brasileira: em defesa das atingidas e dos atingidos pela Vale S.A

Larissa Pereira Santos, Célia Regina Trindade Chagas Amorim

Resumen


Este artigo centraliza as reflexões no âmbito da comunicação cidadã de movimentos sociais e organizações que trabalham em comunidades atingidas pela Vale S.A na Amazônia brasileira. Para isso, realizamos uma investigação teórico-metodológica da Rede Justiça nos Trilhos e seus processos comunicativos como ações importantes para o empoderamento de comunidades atingidas pela Vale S.A., nos estados do Pará e Maranhão, afetando a vida de mais de 100 comunidades brasileiras. A metodologia do artigo é de base qualitativa, e as contribuições teóricas de Freire (1983), Peruzzo (2005, 2009), Wolton (2010) e outros nos ajudam a reforçar a comunicação com um processo de interação social. Consideramos que a Rede Justiça nos Trilhos atua com a comunicação cidadã na perspectiva de empoderar os sujeitos para o reconhecimento e a defesa de direitos, para gerar transformações e agregar relações entre diferentes atores sociais.


Palabras clave


Comunicação e Cidadania; Comunidades; Amazônia; Rede Justiça nos Trilhos; Vale S.A.

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Articulação Internacional dos Atingidos pela Vale (2015). Relatório de Insustentabilidade da Vale 2015. [S.l.]: Articulação Internacional dos Atingidos pela Vale. Disponível em: https://goo.gl/zwrVZw

Avritzer, L. & Lyyra, T. (1994). Movimentos sociais, renovação cultural e o papel do conhecimento: Entrevista de Alberto Melucci a Leonardo Avritzer e Timo Lyyra. Novos Estudos, (40), 152-166.

Castells, M. (2013). Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Zahar.

Castells, M. (2015). O poder da comunicação. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (1983). Comunicação ou extensão? Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Foucault, M. (1987). Vigiar e punir: história da violência nas prisões. Petrópolis: Vozes.

Gohn, M. G. (2013). Movimentos sociais e redes de mobilizações civis no Brasil contemporâneo. Petrópolis: Vozes.

Justiça nos Trilhos (2017a). Justiça nos Trilhos. Disponível em: https://goo.gl/DCpWLk

Justiça nos Trilhos (2017b). Quem somos. Justiça nos Trilhos. Disponível em: https://goo.gl/4z6SoA

Justiça nos Trilhos (2018). Quanto vale a vida? Dados sobre atropelamento na Estrada de Ferro Carajás. Açailândia: Justiça nos Trilhos. Disponível em: https://goo.gl/HCdCEn

Melucci, A. (1989). Um objetivo para os movimentos sociais? Lua Nova, (17), 49-66.

Mouffe, C. (2003). Democracia, cidadania e a questão do pluralismo. Política e Sociedade, (3), 11-26.

Mouffe, C. (2015). Sobre o político. São Paulo: Martins Fontes.

Peruzzo, C. (2005). Direito à comunicação comunitária, participação popular e cidadania. Revista Latinoamericana de Ciencias de la Comunicación, 2(3), 18-41.

Peruzzo, C. (2009). Conceitos de comunicação popular, alternativa e comunitária revisitados e as reelaborações no setor. ECO-Pós, 12(2), 46-61.

Pinsky, J. & Pinsky, C. B.(Org.). (2013). História da Cidadania (6ª ed.). São Paulo: Contexto.

Santos, B. S. (2013). Pela mão de Alice. O social e o político na pós-modernidade. São Paulo: Cortez.

Touraine, A. (1989). Os novos conflitos sociais: para evitar mal-entendidos. Lua Nova, (17), 5-18.

Wolton, D. (2010). Informar não é comunicar. Porto Alegre: Sulina.




DOI: https://doi.org/10.16921/chasqui.v0i140.3881

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2019 Larissa Pereira Santos, Célia Regina Trindade Chagas Amorim

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

convocatorias

Es una edición cuatrimestral creada y editada por CIESPAL.
Av. Diego de Almagro N32-133 y Andrade Marín.
Quito-Ecuador.

Síguenos en:

convocatorias

convocatorias

Revista Chasqui 2018
está bajo Licencia Creative Commons Atribución-SinDerivar 4.0 Internacional.