“É muito ruim você não saber ler”: os sentidos de analfabetismo no programa brasileiro de televisão profissão repórter

kalliandra quevedo conrad, Natália Martins Flores, Maria Ivete Trevisan Fossá

Resumen


Investigamos os modos de discursivização do analfabetismo no Programa Profissão Repórter, da Rede Globo de Televisão, relacionando-os com práticas de cidadania. Partindo da abordagem teórico-metodológica da Análise de Discurso Crítica (ADC), operacionalizamos os conceitos de intertextualidade manifesta e constitutiva na análise de uma edição do programa sobre analfabetismo (21/07/2015). Mapeamos as marcas textuais dispostas na superfície do texto para cotejar possibilidades de compreensão da cidadania desde os discursos da mídia. As estratégias discursivas constroem sentidos de vergonha, desajuste e atraso para o analfabetismo, posicionando os analfabetos como sujeitos desqualificados para o mercado de trabalho e para as relações sociais. Antes de ser um direito-dever, a cidadania se torna um privilégio, pois depende das condições econômicas das pessoas.

Palabras clave


Análise Crítica do Discurso; Produção de sentidos; Cidadania; Discurso midiático.

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Alsina, M. (1989). La construcción de la noticia. Barcelona: Paidós Comunicación.

Barcellos, C. (2016). Profissão Repórter 10 anos: grandes aventuras e grandes coberturas. São Paulo: Edição Planeta.

Carpentier, N.; Lie, R.; Servaes, N. (2001). Community media: muting the democratic media discourse? Brighton: Koccc Centre for Critical Studies in Communication and Culture.

Cortina, A. (2005). Cidadãos do mundo: para uma teoria da cidadania. São Paulo: Edições Loyola.

Fairclough, N. (2016). Discurso e mudança social. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Genro Filho, A. (1987). O Segredo da Pirâmide: para uma teoria marxista do jornalismo. Porto Alegre: Editora Tchê.

Gross, D. & Paschoalick, P. (2012). Profissão Repórter, um panorama. In: Soares, R & Gomes, M (orgs.). Profissão Repórter em diálogo. São Paulo: Alameda. p. 31-49.

Holston, J. (2013). Cidadania Insurgente: disjunções da democracia e da modernidade no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras.

Maingueneau, D. (2005). Gênese dos Discursos. Tradução de Sírio Possenti. Curitiba: Criar Edições.

Maingueneau, D. (1997). Novas tendências em análise do discurso. Campinas: Editora da Unicamp.

Meditsch, E. (1992). O conhecimento do jornalismo. Florianópolis: Editora da UFSC.

Memória Globo. Caco Barcellos. Recuperado em 5 de maio de 2017, de http://g1.globo.com/profissao-reporter/

Orlandi, E. (2002). Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas, SP: Pontes.

Ramalho, V. & Resende, V. (2011). Análise de Discurso (para a) crítica: o texto como material de pesquisa. Campinas/SP: Pontes Editora.

Ramalho, V. & Resende, V. (2004). Análise de Discurso Crítica, do Modelo Tridimensional à Articulação Entre Práticas: Implicações Teórico-Metodológicas. Linguagem em (Dis)curso - LemD, Tubarão, 5(1), pp. 185-207.

Sodré, M. (2010) Antropológica do espelho: uma teoria da comunicação linear e em rede. Petrópolis: Editora Vozes.




DOI: http://dx.doi.org/10.16921/chasqui.v0i139.3666

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2019 kalliandra quevedo conrad, Natália Martins Flores, Maria Ivete Trevisan Fossá

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

convocatorias

Es una edición cuatrimestral creada y editada por CIESPAL.
Av. Diego de Almagro N32-133 y Andrade Marín.
Quito-Ecuador.

Síguenos en:

convocatorias

convocatorias

Revista Chasqui 2018
está bajo Licencia Creative Commons Atribución-SinDerivar 4.0 Internacional.