Ciência em publicidades: uma análise das emissoras televisivas de maior audiência no Brasil

Vanessa Brasil de Carvalho, Luisa Massarani

Resumen


Neste artigo, analisamos publicidades veiculadas pelas duas emissoras de TV aberta brasileira de maior audiência (TV Globo e TV Record) que apresentaram questões relacionadas à ciência em suas narrativas. As peças foram submetidas a um protocolo de análise de conteúdo e processadas pelo software de análise de modelos mistos, o QDAMiner. Nossos resultados mostram que TV Record transmitiu mais publicidades com abordagem científica que a TV Globo e houve ênfase em assuntos da saúde e de estética. A ciência foi utilizada como forma de legitimar os produtos e as marcas, de maneira a contribuir para o convencimento dos telespectadores.


Palabras clave


Ciência na TV; TV brasileira; Publicidade; TV Globo; TV Record

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Almeida, S.; Nascimento, P.; Quaioti, T. (2002). Quantidade e qualidade de produtos alimentícios anunciados na televisão brasileira. Revista Saúde Pública, São Paulo, 3 (36), 353-355.

Amorim, L.; Autor. Jornalismo científico: um estudo de caso de três jornais brasileiros. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, Curitiba, 1(1), 73-84, jan/abr.

Aronchi, J. (2004). Gêneros e formatos na televisão brasileira. São Paulo: Summus.

Autor; Ramalho, M. Monitoramento e capacitação em jornalismo científico: a experiência de uma rede ibero-americana. Rio de Janeiro: Museu da Vida / Casa de Oswaldo Cruz / Fiocruz: Centro Internacional de Estudios Superiores de Comunicación para América Latina (Ciespal).

Azevedo, G.; Pereira, O. (2010). Análise da publicidade das propagandas de medicamentos veiculadas em emissoras de televisão. Farmácia & Ciência, 1(1), 3-15, ago./dez.

Bolaño, C. (2004). Mercado brasileiro de televisão. 2a edição. São Cristóvão (SE): Universidade Federal de Sergipe; São Paulo: EDUC.

Carmo, A. (2014). A dimensão probatória do discurso publicitário. Cambiassu: Estudos em Comunicação, 19 (14), 4-18.

Cashmore, E. (1998). ... e a televisão se fez! São Paulo: Summus.

Ferreira, A. (2009). Leitura Discursiva em Publicidade e Propaganda: uma análise da função argumentativa do interdiscurso. Ser, 1(1), 56-66.

Fialho, A.; Almeida, M. (2008). Publicidade a géneros alimentícios no meio televisivo dirigida a crianças e adolescentes em Portugal. Revista da SPCNA, 14(2), 577-65.

Grupo globo. (2017). Grupo Globo. Disponível em: .

Haberkamp, C. (2013). Publicidade e consumo: a articulação entre recepção e consumo dos cosméticos anti-idade. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Comunicação Social) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2016). Acesso à internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal: 2015. Rio de Janeiro.

Jacks, N.; Menezes, D.; Piedras, E. (2008). Meios e audiências: a emergência dos estudos de recepção no Brasil. Porto Alegre: Sulina.

Jacks, N.; Piedras, E. (2006). Estudos de recepção da publicidade: explorando as pesquisas da década de 1990. Comunicação, mídia e consumo. 3 (7), 113-130.

Kantar Ibope Mídia. (2016). Investimento publicitário Meios de Comunicação – Janeiro a Dezembro 2016. Disponível em: .

Lewis, R.; Maas, S. (2007). QDA Miner 2.0: Mixed-model qualitative data analysis software. Field methods, 19(1), 87-108.

Lucas, L.; Hoff, T. (2007). Da cronobiologia aos neurocosméticos: o advento do corpo-mídia no discurso publicitário da beleza. In: Encontro Anual da Compós - Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, 2006. Unesp-Bauru. Anais... Porto Alegre: Sulina, 93-112.

_____. (2006). Da ortopedia ao controle do corpo: o discurso da saúde na publicidade. Comunicação Mídia e Consumo, 3(6), 81-104.

Mattos, S. (2010). História da televisão brasileira: uma visão econômica, social e política. Petróplis: Editora Vozes.

Melo, A.; Santana, C.; Brito, M. (2005). Imaginário feminino no consumo de cosméticos: um estudo sobre a significação das marcas de cremes faciais e o uso desses produtos para o público feminino. Monografia (Pós-Graduação em Administração) – Núcleo de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal da Bahia, Salvador.

Mídia Dados Brasil. (2017). Televisão. Disponível em: .

Piedras, E. (2014). Ascensão dos estudos de recepção em publicidade: contribuições nas abordages comportamental, sociocultural e sociodiscursiva. In: JACKS, N. (Org.). Meios e audiências II: a consolidação dos estudos de recepção no Brasil (pp. 171-186). Porto Alegre: Sulina.

Ramalho, M.; Polino, C.; Autor. Do laboratório para o horário nobre: a cobertura de ciência no principal telejornal brasileiro. Journal of Science Communication, 11, 1-10.

Rede Record. (1998) Rede Record: 45 anos de história. São Paulo: Antonio Bellini Editora e Design.

Reimão, S. A televisão no Brasil – ontem e hoje. (2000). In: Reimao, S. (Org). Televisão na América Latina: sete estudos (pp. 7-10). São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo.

Rondelli, D. (2004). A ciência no picadeiro: Uma análise das reportagens sobre ciência no programa Fantástico. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social) – Universidade Metodista de São Paulo (UMESP), São Paulo.

Rosa, A. (2005). Publicidade científica: um estudo do modo de organização do discurso argumentativo em revistas femininas. Dissertação (Mestrado em Letras e Lingüística) – Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife.

Torres, H. (2012). La ciencia en la televisión nacional. Análisis de los comerciales de Televisión. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidad Nacional de Colombia, Bogotá.

Trench, B. (2003). Media Studies Module. Carolina do Sul: The European Network of Science Communication Teachers.

Wolton, D. (2006). Elogio do grande público: uma teoria crítica da televisão. São Paulo: Editora Ática.

Wzorek, L. (2005). Avaliaçăo da qualidade das propagandas de medicamentos veiculadas em diferentes mídias e locais no estado do Paraná. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmaceuticas) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba.




DOI: https://doi.org/10.16921/chasqui.v0i140.3576

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2019 Vanessa Brasil de Carvalho, Luisa Massarani

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

convocatorias

Es una edición cuatrimestral creada y editada por CIESPAL.
Av. Diego de Almagro N32-133 y Andrade Marín.
Quito-Ecuador.

Síguenos en:

convocatorias

convocatorias

Revista Chasqui 2018
está bajo Licencia Creative Commons Atribución-SinDerivar 4.0 Internacional.