Representaciones de lo femenino en la publicidad: estereotipos, rupturas y deslices

Milena Freire Oliveira-Cruz

Resumen


El texto propone mapear diferentes representaciones sobre lo femenino en la publicidad brasileña de actualidad: tanto la reproducción de estereotipos que reiteran la desigualdad de género así como la ruptura de modelos cristalizados a través de la valorización de la autonomía de la mujer. A partir de datos de investigaciones que demuestran el cuestionamiento del público en referencia a los patrones femeninos, así como la repercusión de comerciales que fueron considerados machistas por el público, pretendemos reflejar la relación instituida entre publicidad y sociedad, y destacar la necesidad de reconfiguración de las formas de pensar y representar las cuestiones de género en la comunicación publicitaria.

Palabras clave


desigualdad; comunicación; mujeres; género

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Barbosa, B. & Zirondi, M. (2015, Agosto 24). Campanhas polêmicas levantam discussões sobre sexismo. Propmark. Recuperado de http://bit.ly/2nLYx16

Barbosa, M. (2015, Febrero 25). 'Esqueci o Não' da Skol sai de cena, mas cai na mira do Conar. Folha de S. Paulo. Recuperado de http://bit.ly/1M8qkwP

Baudrillard, J. (2010). A sociedade de consumo. Edições 70: Lisboa.

Bourdieu, P. (1999). A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Conde, M. R. & Hurtado, M. (2006). La mujer y el hombre em la publicidade televisiva: imágenes y estereótipos. Zer Revista de estudos de Comunicación, Universidad del País Vasco, 21, 161-175.

Correa, L. G. (2012). ‘Quem sempre troca a Maria?': transgressão e permanência dos papéis de gênero na publicidade. En: França, Vera V. & Corrêa, Laura G. (Eds.). Mídia, instituições e valores (pp. 85-96). Belo Horizonte: Autêntica.

Correa, L. G. & Mendes, A. (2015). Inversão, desnaturalização e reforço de práticas de gênero em peças publicitárias. Intexto, 32, 136-155.

Dearo, G. (2015, Junio 16). Marca cancela campanha do ‘mimimi’ e Preta Gil comenta erro. Exame.com. Recuperado de http://abr.ai/2oKFrcG

Folha de S. Paulo. (2015, Marzo 23). Risqué é criticada por machismo após campanha “Homens que Amamos”. Recuperado de http://bit.ly/2obGsg1

Freitas, S. & Cabecinhas, R. (2014). Estereótipos de género na publicidade televisiva. Uma comparação entre spots brasileiros e portugueses. En Comunicação ibero-americana: os desafios da internacionalização (pp. 3315-3163). Braga: Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho.

Gastaldo, E. (2013). Publicidade e Sociedade: uma perspectiva antropológica. Porto Alegre: Sulina.

Germano, P. (2015, Marzo 7). Debate sobre imagem da mulher nas propagandas mobiliza cada vez mais gente. Zero Hora. Recuperado de http://bit.ly/2oDrGzz

Gil, A. C. (2006). Métodos e técnicas de pesquisa social. 5a. ed. São Paulo: Atlas.

Goffman, E. (1987). Gender Advertisements: studies in the Anthropology of Visual Communication. New York: Harper&Row.

Lafloufa, J. (2015, Febrero 11). Mulheres se irritam com tom da campanha da Skol e alteram mensagem de outdoor. Recuperado de http://bit.ly/2oF3qwp

Lysardo-Dias, D. (2007). A construção e a desconstrução de estereótipos pela publicidade brasileira. Stockholm Review of Latin American Studies. 2, 25-34.

Martín-Barbero, J. (2006). Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

Meirelles, R. (2013, Septiembre 23). Publicidade perde dinheiro por não saber retratar a mulher, avalia diretor do Data Popular. Entrevista concedida à Luciana Araújo. Agência Patrícia Galvão. Recuperado de http://bit.ly/2obGMeH

Moreno, R. (2013, Octubre 30). O distanciamento entre o aspiracional publicitário e a brasileira real gera rebaixamento da autoestima, analisa Rachel Moreno. Entrevista concedida a Débora Prado. Agência Patrícia Galvão. Recuperado de http://bit.ly/2obX3A5

Novelli, A. L. R. (2011). Pesquisa de Opinião. En: Duarte, J. & Barros, A. (Eds). Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. 2. ed. São Paulo: Atlas.

Patrícia Galvão, I. (2013). Pesquisa “Representações das mulheres nas propagandas de TV”. Recuperado de http://bit.ly/2obNZeP

Piedras, E. R. (2009). Fluxo publicitário: anúncios, produtores e receptores. Porto Alegre: Sulina.

Rocha, E. P. G. (Ed.). (2006). Representações do consumo: estudos sobre a narrativa publicitária. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio & Mauad.

Silva, R. M. (2003). Gênero, argumentos e discursos na publicidade televisiva brasileira. In: Anais eletrônicos do XXVI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Belo Horizonte.

Valek, A. (2015, Marzo 24). Sua propaganda vende machismo, não produtos. Carta Capital. Recuperado de http://bit.ly/2nFImBB

Velho, B. A. & Bacellar, F. (2003). Algo de novo no ar: a representação de homens e mulheres na propaganda. En: Anais eletrônicos do XXVI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Belo Horizonte.

Vestergaard, T. & Schroder, K. (2004). A linguagem da propaganda. São Paulo: Martins Fontes.

Zero Hora. (2015, Marzo 23). Consumidoras se revoltam com coleção de esmaltes que homenageia atitudes masculinas. Zero Hora. Recuperado de http://bit.ly/2nZuiV9




DOI: https://doi.org/10.16921/chasqui.v0i134.3074

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2017 Milena Freire Oliveira-Cruz

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

convocatorias

Es una edición cuatrimestral creada y editada por CIESPAL.
Av. Diego de Almagro N32-133 y Andrade Marín.
Quito-Ecuador.

Síguenos en:

convocatorias

convocatorias

Revista Chasqui 2018
está bajo Licencia Creative Commons Atribución-SinDerivar 4.0 Internacional.