Reportaje: el género a la medida del periodismo contemporáneo

Elizabeth Moraes Gonçalves, Marli dos Santos, Denis Porto Renó

Resumen


El objetivo del artículo es, a partir de una recolección de las principales clasificaciones sobre reportaje, reflexionar sobre el género que tiene la narrativa como principal elemento formador. Por medio de una investigación bibliográfica se ha verificado que el reportaje es uno de los formatos más flexibles en la práctica periodística, lo que puede ser comprobado con el ejemplo aquí presentado. Eso está relacionado a la característica de la narrativa que construye por las exigencias de la temática abordada, el posicionamiento del locutor y los objetivos que pretende alcanzar en su relación con el lector, sumando a las posibilidades narrativas ofrecidas por el género.

Palabras clave


comunicación; periodismo; narrativa transmedia; lenguaje

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Arbex Jr.. J. (2005). Showrnalismo: a notícia como espetáculo. São Paulo: Casa Amarela.

Assis, F. (2010). Fundamentos para a compreensão do gênero jornalístico. ALCEU. PUC-RJ- v. 11 - n.21 - p. 16 a 33.

Assis, F. (2014). Gênero diversional: conceitos.Tese. Universidade Metodista de São Paulo- São Bernardo do Campo.

Assis, F. & Marques de Melo, J. (2010). Gêneros jornalísticos no Brasil. São Bernardo do Campo: Editora Universidade Metodista de São Paulo.

Bakhtin, M. (1997). Estética da Criação Verbal. 2ª edição. São Paulo: Martins Fontes.

Barbosa, S. & Torres, V. (2013). O paradigma Jornalismo digital em Base de Dados: modos de narrar, formatos e visualização para conteúdos. GALÁXIA, São Paulo, online, n. 25, p. 152-164. Disponível em http://revistas.pucsp.br/index.php/galaxia/article/viewFile/10398/11381. Acesso em 07/07/2015.

Chaparro, M. C. (2002). Cem anos de Assessoria de Imprensa. In: Duarte, J.. Assessoria de imprensa e relacionamento com a mídia. São Paulo: Atlas.

Chaparro, M. C. (1998). Sotaques d’aquém e d’além-mar - Percursos e gêneros do jornalismo português e brasileiro. Santarém, Portugal: Sortejo.

Coimbra, O. (1993). O texto da reportagem impressa. Um curso sobre sua estrutura. São Paulo: Ática.

Cosson, R. (2003). Romance-reportagem: o império contaminado. In Castro, G. & Galeno, A. Jornalismo e literatura – a sedução da palavra. São Paulo: Escrituras.

Costa, L. (2010). Gêneros Jornalísticos: conhecimento brasileiro. In: Assis, F. & Marques de Melo, J.. Gêneros jornalísticos no Brasil. São Bernardo do Campo, Editora Universidade Metodista de São Paulo, p. 324-325.

Groth, O. (2011). O poder cultural desconhecido – fundamentos da ciência dos jornais. Trad. Lilian Sponholz. Petrópolis: Vozes.

Kindermann, C. A. (2003). A reportagem jornalística no Jornal do Brasil: desvendando as variantes do gênero. Dissertação. Unisul – Universidade do Sul de Santa Catarina. Tubarão, SC. Disponível em http://busca.unisul.br/pdf/69876_Conceicao.pdf. Acesso em 05/07/2015.

Lage, N. (2006). A reportagem. Teoria e técnica de entrevista e pesquisa jornalística. 6 ed. São Paulo/Rio de Janeiro: Record.

Levinson, P. (2012). New new media. Nova Iorque: Pinguim.

Lima, E. P. (2004). Páginas ampliadas: o livro reportagem como extensão do jornalismo e da literatura. Barueri, SP: Manole.

Lima, E. P. (____). Verbetes. Disponível em http://www.edvaldopereiralima.com.br/index.php/90-conceitos/191-verbetes-elaborados-por-edvaldo-pereira-lima. Acesso em 05/07/2015.

Longhi, R. R.. (2010) Os nomes das coisas: em busca do especial multimídia. ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO, nº7 - Volume 2, 149-161. Disponível em http://www.ec.ubi.pt/ec/07/vol2/longhi.pdf. Acessado em 06/07/2015.

Machado, I. (2001). Por que se ocupar dos gêneros? SYMPOSIUM. Universidade Federal de Pernambuco. Recife, ano 5, no. 1 (03-13), Disponível em http://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/3194/3194.PDF. Acesso em 06/07/2015.

Machado, L. M. (2012). 30 anos de reportagem político-social na imprensa escrita do Porto (1974-2004): Jornal de Notícias, o Primeiro de Janeiro e O Comércio do Porto. COMUNICAÇÃO & INOVAÇÃO. Universidade São Caetando do Sul, São Caetano do Sul, SP, v. 13, n. 25:(3-12).

Marcondes Filho, C. (2000). A saga dos cães perdidos. São Paulo: Hacker Editores.

Motta L.G.(2005). A Análise Pragmática da Narrativa Jornalística. Disponível em: http://galaxy.intercom.org.br:8180/dspace/handle/1904/16836. Acesso em 26/01/2012.

Oliveira, H. M. G. (2010). Uma reflexão teórica sobre o furo de reportagem a partir da lógica de distribuição de conteúdos das agências nacionais no interior dos conglomerados de mídia. Artigo apresentado no 10º. Encontro Nacional da SBPJor – Sociedade Brasileira de Pesquisa em Jornalismo, Disponível em http://sbpjor.kamotini.kinghost.net/sbpjor/admjor/arquivos/10encontro/comunicacoes_coordenadas/hebe_maria_goncalves_de_oliveira.pdf. Acesso em 07/07/2015.

Pêcheux, M. (1990). Análise Automática do Discurso (AAD- 69) Trad. Eni Orlandi. In Gadet, F. & Hak, T. (orgs.) Por uma Análise Automática do Discurso: uma Introdução à Obra de Michel Pêcheux. Campinas: Editora da UNICAMP.

Renó, D. & Flores, J. (2012). Periodismo transmedia. Madri: Fragua.

Renó, D. & Renó, L. (2015). Las nuevas redacciones, el ‘Big Data’ y los medios sociales como fuentes de noticias. Estudios sobre el Mensaje Periodistico, Vol. 21, N.m. especial, pp 131-142. Disponível em http://revistas.ucm.es/index.php/ESMP/article/view/51135/47473. Acesso em 28/01/2016.

Seibt, T. (2013). Filho da Rua: jornalismo etnográfico ou reportagem de ideias? VERSO E REVERSO, Unisinos, São Leopoldo, RS, XXVII(65):102-107.

Seixas, L. (2004). Gêneros jornalísticos Digitais. Artigo apresentado no XIII Encontro Anual da COMPÓS, São Bernardo do Campo. Disponível em http://pt.scribd.com/doc/28326490/. Acesso em 07/07/2015.

Sodré, M. & Ferrari, M. A. (1986). Reportagem. Notas sobre a narrativa jornalística. São Paulo: Summus.

Temer, A. C. P. (2012). A importância do esporte na programação da Rede Globo de Televivo. Um estudo sobre gêneros e seus processos de hibridização. Artigo apresentado no XXXV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Fortaleza, CE. Disponível em http://www.intercom.org.br/papers/regionais/sul2012/resumos/R30-0841-1.pdf. acesso em 05/07/2015.

Yanes, R. (2004). Géneros periodísticos y géneros anexos: una propuesta metodológica para el estudio de los textos publicados en prensa. Madri: Fragua.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2016 Elizabeth Moraes Gonçalves, Marli dos Santos, Denis Porto Renó

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

convocatorias

Es una edición cuatrimestral creada y editada por CIESPAL.
Av. Diego de Almagro N32-133 y Andrade Marín.
Quito-Ecuador.

Síguenos en:

convocatorias

convocatorias

Revista Chasqui 2018
está bajo Licencia Creative Commons Atribución-SinDerivar 4.0 Internacional.